31 de dez de 2012

Os 5 melhores álbuns lançados em 2012



ANÁLISES:

Os melhores quotes de livros lidos em 2012



Olá, você! :) O ano ainda não acabou e estou muuuuito feliz de poder estar postando aqui no último dia do ano! Nesse vídeo conto quais são as melhores citações, ou quotes, de livros que li em 2012! Você pode e deve participar dessa tag! Quero muito trocar "figurinhas" com você e, quem sabe, me interessar por um livro que você leu só por causa de uma citação dele!

RESENHAS:

Ps.: No vídeo eu falo um pouco sobre os motivos da escassez de posts e vídeos desde o final de setembro... Espero que vocês compreendam! Beijos, abraços e FELIZ ANO NOVO! ;)

2 de dez de 2012

Resenha: Estilhaça-me, de Tahereh Mafi

Sinopse: Ninguém sabe por que o toque de Juliette é letal, mas O Restabelecimento tem planos para ela. Planos para usá-la como arma. No entando, Juliette tem seus próprios planos. Após uma vida inteira sem liberdade, ela descobriu uma força para lutar contra todos pela primeira vez - e para obter um futuro com o garoto que ela pensou que fosse perder para sempre. 

Estilhaça-me
Autora: Tahereh Mafi
Título original: Shatter Me
Editora: Novo Conceito
Avaliação: 2/5








Em Estilhaça-me, estamos numa realidade pós-apocalíptica, onde o mundo (ou o que sobrou dele) foi dividido em 3.333 setores comandados pelo Restabelecimento. Juliette, nossa protagonista, está presa sozinha há 264 dias e, você pode imaginar, prestes a enlouquecer depois de tanto tempo sem um contato direto com outro alguém. Ela foi presa porque seu toque é letal, e seus pais a entregaram para o Restabelecimento, que pretende usá-la como arma. Depois de tanto tempo presa, Juliette ganha um companheiro de cela (Adam), e a partir daí tudo muda...

Infelizmente (ou não), minha experiência com Estilhaça-me não foi boa. Considerando que _todas_ as resenhas que li foram positivas, foi uma decepção e tanto! Achei a protagonista e o enredo de Tahereh irritantes, mas muito irritantes! Houve momentos de parar e respirar para poder absorver o que eu estava lendo. Detestei o romance e, depois que ele engatilha, o negócio chega a ficar ridículo! Juliette se torna completamente passiva (não que ela já não fosse). Não entendo como uma personagem, que começa o livro com tantos dilemas, passa a pensar só em outra coisa, depois de tudo que passou. E não me venham com historinha de que o amor é a razão, porque no livro parece mais falta de sexo ou de um bom amasso, já que a maior parte dos elogios de Juliette são sobre o físico do seu "amado".

Se você já leu outra resenha de Estilhaça-me, ou já abriu o livro na livraria, sabe que ele tem riscos nas palavas, tipo assim. É um artifício usado para expressar a confusão mental de Juliette, mais presente no começo do livro. Há, mais pra frente, um uso dos riscos que considerei indevido. Eles eram usados para "cancelar" pensamentos, mas também foi usado numa fala. Convenhamos, ou algo é dito ou não é. Também há uma falta de vírgulas que, sinceramente, não sei se foi proposital ou não. É irritante, mas pode ser que reflita o fluxo de pensamentos, assim como os riscos os cancelam. A narrativa de Tahereh é rápida, e a estrutura da obra contribuiu bastante para isso.

Não gosto de cair em comparações, mas as divagações de Juliette sobre Adam me lembraram as de Bella sobre Edward em Crepúsculo. O que não é um ponto positivo pra Estilhaça-me, porque Adam é um humano e Edward é um vampiro, fato este que pode justificar os elogios exagerados de Bella. Estilhaça-me ainda peca por transformar aquilo que faz de Juliette uma pessoa peculiar (você vai precisar ler pra entender o que eu quero dizer).

Não gostei definitivamente, e não pretendo ler a continuação. Se você espera ler um obra que foque na distopia ou até mesmo no suposto "poder" da protagonista, não recomendo. Mas se você não se importa com um romance "nhénhénhé" com um mundo pós-apocalíptico de fundo, você pode gostar.