12 de jul de 2012

Resenha: Deslembrança, de Cat Patrick

Sinopse: Toda noite, quando London Lane recosta a cabeça no travesseiro e dorme, cada mínimo detalhe do dia que viveu desaparece de sua memória. Pela manhã, restam-lhe apenas lembranças do futuro: pessoas e acontecimentos que ainda estão por vir. Para conseguir manter uma rotina minimamente normal, London escreve bilhetes para si própria e recorre à sempre fiel melhor amiga. Já acostumada a tudo isso, ela tenta encarar a perda de memória mais como uma fatalidade do que como uma limitação. Mas, quando imagens perturbadoras começam a surgir em suas lembranças e London precisa, de algum modo, escapar delas, fica claro que para entender o presente e o futuro ela terá que decifrar o que ficou esquecido no passado. Misto de romance e thriller psicológico, Deslembrança mantém o tempo todo aquela inquietante pergunta martelando na cabeça de quem lê: E se?

Deslembrança
Autora: Cat Patrick
Título original: Forgotten
Editora: Intrínseca
Avaliação: 3/5

Quem leu o Futuras Leituras #2 sabe que eu estava bastante empolgado pra ler Deslembrança. O book-trailer em preto e branco e com a musiquinha de suspense me convenceu instantaneamente! O "problema" é que ele não transmite o verdadeiro clima do livro. Apesar de a sinopse sugerir algo bem complicado, anormal e intrigante, Deslembrança traz a realidade da protagonista de forma natural e, muitas vezes, até calma.

London Lane sofre de uma anormalidade bem curiosa. Todos os dias, especificamente às 4:33 da manhã, suas memórias desaparecem e sua mente é zerada. O que vestiu no dia anterior, o que comeu, com quem falou, quem conheceu... Ela não sabe. As únicas lembranças que possui são do futuro, ou seja, ela sabe o que vai acontecer, mas não se lembra do que já aconteceu. Mas calma aí! Não é como se a cada vez que ela acordasse ela tivesse que ser apresentada a todo mundo, até a sua mãe, por exemplo. Não! Ela se lembra de sua mãe, mas não se lembrará de uma conversa que teve com ela duas semanas atrás ou ontem, por exemplo. Mas se ela conhecer alguém hoje, ela não se lembrará desse alguém amanhã (ai meu Deus, Gabriel, que confusão!). Parece que as pessoas mais próximas não são esquecidas, já que ela também se lembra de sua melhor amiga Jamie.

Isso me faz perceber o quanto valorizo a disposição de Jamie de confiar em mim sem saber. Ela não pode ver o que acontecerá. Para Jamie, nosso relacionamento é uma aposta. Mesmo assim, ela permanece comigo. Continua a jogar os dados.
Pergunto-me se meu coração acompanha a passagem do tempo, ainda que minha cabeça não consiga.

O que London faz pra sobreviver com esse seu "probleminha"? Todos os dias, antes de dormir, ela anota bilhetes para si mesma, contando o que aconteceu e precisa se lembrado. Então, no dia seguinte, ela poderá lê-los e ficar por dentro de tudo que ela mesma viveu. Ela anota tu-do? Tudo que é relevante, claro. Isso inclui até a roupa que vestiu, porque ela não é boba de acabar repetindo a roupa do dia anterior na escola, né?

London está no penúltimo ano da escola, e é durante um alarme falso de incêndio que conhece um garoto novo, Luke Henry. Quando todos saem do prédio, eles se conhecem e têm uma pequena conversa. Ele é lindo e ela logo se vê atraída por ele. Já à noite, antes de dormir, London tenta enxergar Luke em suas visões do futuro. Vão namorar? Vão manter contato por anos? London quer que a resposta seja "sim", mas Luke não está em seu futuro. Então ela decide não escrever sobre ele nos seus lembretes.

Quando finalmente aceito o fato, a verdade dói. Mas não há tempo para demorar no assunto, e existem apenas duas possibilidades: posso lembrar a mim mesma de alguém que não faz parte da minha vida ou posso deixá-lo fora de meus bilhetes e me poupar de passar por tudo isso amanhã, de novo.
A essa hora, com a cabeça a minutos de "reiniciar", não parece haver nada a decidir. Cerro os dentes, pego a caneta e faço o que preciso fazer.
Minto para mim mesma.

Mas você já deve imaginar que eles vão se encontrar de novo, afinal estudam no mesmo local. Mas a trama não é só isso. London tem uma lembrança do futuro em que se vê em um funeral. Sua mãe está chorando, e sua avó também. Quem irá morrer? London teme lembrar-se desse enterro até que alguém morra.

A narrativa de Cat Patrick é rápida e agradável; é direta e não perde tempo dando muitas explicações. Apesar de ser um livro curto, os personagens cativam o leitor facilmente. London foge de estereótipos e Jamie, apesar de louquinha, é muito amável. O decepcionante para mim foi o livro não ter tanto suspense quanto eu esperava. O desfecho é uma surpresa, mas o final é tão rápido, inconsistente e insuficiente que parece que não dá tempo de ficar tão surpreso assim. Acaba que a primeira metade do livro é muito boa, e a segunda alterna entre momentos regulares e bons. Uma pena para uma história que tinha MUITO potencial e muito mais para ser explorado.

Contudo, ainda é um livro bacana e que vale a pena ser lido. Eu pretendo ler de novo e tentar achar alguns ~furos~ na trama, ou detalhes que talvez passaram despercebidos por mim. Se o filme baseado na obra sair mesmo, acho que será melhor que o livro. Só me resta esperar pra ver.

Nenhum comentário:

Postar um comentário