18 de mai de 2012

Resenha: Tinta Perigosa, de Melissa Marr

Tinta Perigosa (Ink Exchange) - Melissa Marr
Sinopse: Apesar de parecer uma adolescente normal, como tantas outras da decadente cidade de Huntsdale, nos Estados Unidos, Leslie leva uma vida dura: depois da morte da mãe, ela viu o pai decair a ponto de virar um alcoólatra, é obrigada a conviver com o irmão traficante de drogas e trabalha árduas horas como garçonete para poder pagar as contas da casa. A jovem estudante do colégio Bishop O’Connell carrega ainda um terrível segredo, uma violenta tragédia em seu passado recente que a enche de culpa, vergonha, medo e raiva, sentimentos que fazem de Leslie uma candidata perfeita a Garota Sombria... uma posição que nenhuma menina deveria querer. 

Tinta Perigosa
Autora: Melissa Mar
Título original: Ink Exchange
Editora: Rocco
Avaliação: 3/5



Tinta Perigosa é o segundo volume da série Wicked Lovely.
Essa resenha não contém spoilers sobre o primeiro volume.

Nem sei por onde começar... Depois da experiência bem agradável com Terrível Encanto me pego bem confuso com Tinta Perigosa. Em vez de tentar explorar mais a realidade da Aislinn e trazer algumas respostas para as questões anteriores, "Tinta" traz outra protagonista e mais um enredo questionável. Dessa vez o livro não traz citações de lendas irlandesas sobre os seres encantados nos começos de capítulo, o que não coopera para a compreensão mais profunda desse mundo. Eu já falei que "fadas" não é, definitivamente, um tema que me atrai. Ganhei os dois livros da Rocco e quis dar uma chance à história.

Leslie é a nova protagonista da série nesse volume. Ela é amiga de Aislinn da escola Bishop O'Connel, tem 17 anos e passa por um momento difícil em casa (momento esse que seus amigos desconhecem, já que ela esconde). Seu pai se tornou um alcoólatra após a morte de sua mãe, e seu irmão um viciado em drogas. Leslie ainda carrega consigo uma lembrança nada prazerosa que a marcou desde então; e essa lembrança só contribuiu para torná-la um garota mais ferida. Mas ela está decidida a mudar, ela precisa de algo que a faça sentir dona de si, e então decide fazer uma tatuagem, e a partir daí tudo muda.

Leslie não tem a Visão, ou seja, ela não enxerga os seres encantados como sua amiga Aislinn, ela não tem nenhuma noção do que eles são e fazem. Por tudo que passou e passa, Leslie está cheia de sentimentos maus (tristeza, raiva, medo, angústia...), e esses sentimentos atraem a atenção de Irial, rei da Corte Sombria. Através de sua nova tatuagem, feita com uma tinta "sobrenatural", Leslie se conecta a Irial, e se torna fonte de energia para ele e sua corte. Será que ela vai aceitar isso?

Por não ter a Visão, Leslie é muito mais passiva que Aislinn. E é essa passividade que me irrita. Os humanos não passam de peças de jogo nas mãos dos seres encantados? É intrigante a forma como Leslie foi facilmente enganada e envolvida por eles, como uma estúpida qualquer. Isso é uma das coisas que me faz questionar o enredo e esse mundo dos seres encantados. A série continua com muitas perguntas flutuando. Por quê isso? O que há por trás do reino desses seres sombrios e estranhos? Nenhuma resposta concreta.

Talvez você ache que é só pesquisar sobre as lendas nas quais a série foi baseada para achar essas respostas, mas eu acho que uma ficção, quando traz um mundo novo, deve trazer para o leitor uma compreensão boa o suficiente do que esse mundo novo é, sem necessariamente fazer com que ele busque outras fontes, apesar de eu achar plausível que a série gere curiosidade no leitor para as lendas irlandesas (mas eu nem quero e nem tenho paciência para pesquisá-las). Esperemos. É o segundo volume... Vai que essas respostas concretas estejam nos próximo livros. Ou não. Ou a série acaba assim: é isso, você não precisa entender tudo, nem o porquê, aceite essa realidade. DEAL WITH IT. Espero que não!

Apesar dos pesares, continuo a recomendar a série para os interessados nesse tema. Como eu já disse na resenha de Terrível Encanto, vai ser um prato cheio! Wicked Lovely não faz meu gênero, mas ainda conseguiu me deixar curioso por como terminará. Ainda restam mais 3 livros: "Fragile Eternity", "Radiant Shadows" e "Darkest Mercy" (sem contar os contos extras!), que ainda não foram publicados no Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário