3 de fev de 2012

Review: 8x13 "If/Then" - Grey's Anatomy


Aos novos visitantes, que talvez ainda não saibam: Grey's Anatomy é, de longe, meu seriado favorito. Tudo bem, eu não acompanho muitas séries, mas Grey's tem o que me agrada. Drama (<333), suspense, comédia e personagens incríveis; tudo isso me cativou e continua cativando.

A última vez que comentei sobre a série por aqui foi num post especial, chamado de "Mistão". Comentei lá sobre o season finale da sexta temporada (faz um tempinho, hein?!), que, por sinal, foi incrível. Se se interessar e quiser ler é só clicar aqui. :)

Vamos ao que interessa! O episódio 8x13, intitulado "If/Then", foi exibido ontem nos Estados Unidos. Como o título já sugere, o episódio é uma grande suposição. E se as escolhas dos personagens tivessem sido outras? Como as coisas estariam por agora?

If/Then traz circunstâncias surpreendentes para o Seattle Grace e, talvez, inimagináveis pelos telespectadores de Grey's Anatomy. Foi, com certeza, um acerto de Shonda Rhimes para a oitava temporada.

Atenção: Se não quiser ler spoilers, pare de ler por aqui.

A história começa com a seguinte narração de Meredith Grey:

O bebê que você tem é o bebê que você estava destinada a ter. “Era para ser assim.” Isso é o que todas os assistentes sociais dizem. Enfim, eu gosto de pensar que é verdade. Mas todas as outras coisas no mundo parecem tão completamente aleatórias... E se uma pequena coisa que eu tivesse dito ou feito pudesse fazer tudo desmoronar? E se eu tivesse escolhido outra vida para mim? Ou outra pessoa? Talvez nunca nos encontrássemos. E se eu tivesse sido criada de modo diferente? E se a minha mãe nunca tivesse ficado doente? E se eu realmente tivesse um bom pai? E se… E se... E se...

E então começa a realidade alternativa da trama. Meredith está toda "meiguinha" de rosa e mora com seus pais: a renomada cirurgiã Ellis Grey e... Thatcher? Não, Richard Webber! Callie, que é chefe de cardiologia, está casada com Owen, e os dois têm três filhos. A querida Addison continua casadíssima com Derek, e está grávida! Que delícia! Miranda Bailey, ou Mandy, está longe de ser a Nazi que conhecemos.

E os nossos  residentes? Karev está todo diferente, numa versão meio "mauricinho nerd", bonzinho e feliz, e de rolo sério com Mer! Wow! Cristina assusta a todos com seu humor nada social, e não tem amigos no hospital, já que Meredith não é sua "pessoa". April Kepner é "amiguinha" de Mer. E Charles não morreu! Ele é afim da April, mas ela não quer saber dele. Izzie, O'Malley e Burke são mencionados, o que eu adorei! Eu aprecio que eles, de alguma forma, sejam lembrados (que saudades!). E essas não são as únicas surpresas...


Apesar de circunstâncias diferentes, os personagens continuam sendo quem eram. As personalidades, no fundo, ainda são as mesmas; até porque isso não é um fator influenciado somente por questões externas.

É impressionante como o episódio conseguiu manter um ritmo extremamente interessante. Mesmo com muita coisa às avessas, ainda é Grey's Anatomy, recheada de drama, tensão e comédia. A história termina de forma bem reflexiva, e mostrando, definitivamente, que as coisas não seriam tão diferentes assim, mesmo quando se muda algo aqui e ali. É um episódio delicioso para os fãs da série!

Nenhum comentário:

Postar um comentário