31 de dez de 2012

Os 5 melhores álbuns lançados em 2012



ANÁLISES:

Os melhores quotes de livros lidos em 2012



Olá, você! :) O ano ainda não acabou e estou muuuuito feliz de poder estar postando aqui no último dia do ano! Nesse vídeo conto quais são as melhores citações, ou quotes, de livros que li em 2012! Você pode e deve participar dessa tag! Quero muito trocar "figurinhas" com você e, quem sabe, me interessar por um livro que você leu só por causa de uma citação dele!

RESENHAS:

Ps.: No vídeo eu falo um pouco sobre os motivos da escassez de posts e vídeos desde o final de setembro... Espero que vocês compreendam! Beijos, abraços e FELIZ ANO NOVO! ;)

2 de dez de 2012

Resenha: Estilhaça-me, de Tahereh Mafi

Sinopse: Ninguém sabe por que o toque de Juliette é letal, mas O Restabelecimento tem planos para ela. Planos para usá-la como arma. No entando, Juliette tem seus próprios planos. Após uma vida inteira sem liberdade, ela descobriu uma força para lutar contra todos pela primeira vez - e para obter um futuro com o garoto que ela pensou que fosse perder para sempre. 

Estilhaça-me
Autora: Tahereh Mafi
Título original: Shatter Me
Editora: Novo Conceito
Avaliação: 2/5








Em Estilhaça-me, estamos numa realidade pós-apocalíptica, onde o mundo (ou o que sobrou dele) foi dividido em 3.333 setores comandados pelo Restabelecimento. Juliette, nossa protagonista, está presa sozinha há 264 dias e, você pode imaginar, prestes a enlouquecer depois de tanto tempo sem um contato direto com outro alguém. Ela foi presa porque seu toque é letal, e seus pais a entregaram para o Restabelecimento, que pretende usá-la como arma. Depois de tanto tempo presa, Juliette ganha um companheiro de cela (Adam), e a partir daí tudo muda...

Infelizmente (ou não), minha experiência com Estilhaça-me não foi boa. Considerando que _todas_ as resenhas que li foram positivas, foi uma decepção e tanto! Achei a protagonista e o enredo de Tahereh irritantes, mas muito irritantes! Houve momentos de parar e respirar para poder absorver o que eu estava lendo. Detestei o romance e, depois que ele engatilha, o negócio chega a ficar ridículo! Juliette se torna completamente passiva (não que ela já não fosse). Não entendo como uma personagem, que começa o livro com tantos dilemas, passa a pensar só em outra coisa, depois de tudo que passou. E não me venham com historinha de que o amor é a razão, porque no livro parece mais falta de sexo ou de um bom amasso, já que a maior parte dos elogios de Juliette são sobre o físico do seu "amado".

Se você já leu outra resenha de Estilhaça-me, ou já abriu o livro na livraria, sabe que ele tem riscos nas palavas, tipo assim. É um artifício usado para expressar a confusão mental de Juliette, mais presente no começo do livro. Há, mais pra frente, um uso dos riscos que considerei indevido. Eles eram usados para "cancelar" pensamentos, mas também foi usado numa fala. Convenhamos, ou algo é dito ou não é. Também há uma falta de vírgulas que, sinceramente, não sei se foi proposital ou não. É irritante, mas pode ser que reflita o fluxo de pensamentos, assim como os riscos os cancelam. A narrativa de Tahereh é rápida, e a estrutura da obra contribuiu bastante para isso.

Não gosto de cair em comparações, mas as divagações de Juliette sobre Adam me lembraram as de Bella sobre Edward em Crepúsculo. O que não é um ponto positivo pra Estilhaça-me, porque Adam é um humano e Edward é um vampiro, fato este que pode justificar os elogios exagerados de Bella. Estilhaça-me ainda peca por transformar aquilo que faz de Juliette uma pessoa peculiar (você vai precisar ler pra entender o que eu quero dizer).

Não gostei definitivamente, e não pretendo ler a continuação. Se você espera ler um obra que foque na distopia ou até mesmo no suposto "poder" da protagonista, não recomendo. Mas se você não se importa com um romance "nhénhénhé" com um mundo pós-apocalíptico de fundo, você pode gostar.

17 de nov de 2012

A 20ª temporada de Malhação: e não é que o negócio tá bom?!


Esse post ~superespecial~ já deveria ter saído há muito tempo! Ele seria um post sobre as primeiras impressões da nova temporada de Malhação. Mas peraê, Gabriel! Você assiste Malhação desde sempre? Não! Fazia um tempão que eu tinha meu fim de tarde livre de algum "compromisso" na frente da TV, porque as últimas temporadas de Malhação foram totalmente dispensáveis e esquecíveis. Mas eu sou o tipo de pessoa que, mesmo que não pretenda acompanhar, gosta de assistir ao primeiro (ou primeiros) capítulo de uma nova Malhação "só pra ver se presta"!

A última vez que comentei sobre Malhação aqui no blog foi quando Malhaçãdo ID chegou ao fim. Falei do quanto a temporada prometia ser diferente e bacana, mas acabou caindo na mesma chatice. A 20ª temporada de Malhação chegou sem prometer muito. As chamadas não faziam tanto alarde. O que mais chamou atenção foi, provavelmente, a volta do Mocotó (André Marques) para a trama... Ano que vem podia ter a volta do Cabeção, né?

No segundo semestre de 2012, exatamente no dia 13 de agosto, Malhação chegou com novo colégio, novo logo, novos personagens e nova "atmosfera". Propositalmente ou não, é a temporada que mais renovou o "bagulho" desde 2005! Então, meu caro leitor, você pode imaginar que depois de ver os primeiros capítulos da nova temporada eu não parei mais! É muito casal pra shippar, é muita música boa pra acompanhar as cenas do tipo AIMINHANOSSA e muito EITA que mantêm você ligadão na trama! Afinal, você curte LiDinho, JuDinho ou GiLia? MorFera ou MorRafa? Só sei que eu sou #TeamJu!

Calma! Você não está entendendo a minha empolgação? Então continua acompanhando o meu raciocínio depois do pulo, vai! Garanto que tenho boas razões para dizer que essa Malhação é a melhor dos últimos 7 anos! :)

16 de nov de 2012

Futuras Leituras #5


Depois de um bom tempo, finalmente consegui comprar o box da série "Percy Jackson e os Olimpianos" por um ótimo preço. O Rick Riordan é bastante elogiado, mas eu não senti curiosidade pela série logo de início. Já sei que adaptação cinematográfica de O Ladrão de Raios é ruim, e nem isso eu assisti ainda! Espero gostar do livro! :-)

Sinopse: Primeiro volume da saga Percy Jackson e os olimpianos, O ladrão de raios esteve entre os primeiros lugares na lista das séries mais vendidas do The New York Times. O autor conjuga lendas da mitologia grega com aventuras no século XXI. Nelas, os deuses do Olimpo continuam vivos, ainda se apaixonam por mortais e geram filhos metade deuses, metade humanos, como os heróis da Grécia antiga. Marcados pelo destino, eles dificilmente passam da adolescência. Poucos conseguem descobrir sua identidade.

O garoto-problema Percy Jackson é um deles. Tem experiências estranhas em que deuses e monstros mitológicos parecem saltar das páginas dos livros direto para a sua vida. Pior que isso: algumas dessas criaturas estão bastante irritadas. Um artefato precioso foi roubado do Monte Olimpo e Percy é o principal suspeito. Para restaurar a paz, ele e seus amigos – jovens heróis modernos – terão de fazer mais do que capturar o verdadeiro ladrão: precisam elucidar uma traição mais ameaçadora que fúria dos deuses.


Como fã da trilogia Millennium (apesar de ainda faltar ler o último!), sou bem curioso pra conhecer a história do autor. "Stieg Larsson - A verdadeira história do criador da Trilogia Millennium" é um lançamento recente da Companhia das Letras que já entrou para minha lista de livros desejados!

Sinopse: Antes de publicar a trilogia que se tornaria um sucesso estrondoso e venderia mais de 60 milhões de cópias no mundo inteiro, Stieg Larsson (1954-2004) foi um dos maiores ativistas políticos de seu país. Seu colega, o jornalista e editor Jan-Erik Pettersson, remonta nesta biografia a intensa história de engajamento do escritor e como ela moldou sua vida e sua obra.

Pettersson conta que Larsson falava abertamente dos romances que o deixariam milionário e iriam lhe garantir uma aposentadoria confortável. A triste ironia, porém, foi ele ter morrido subitamente, jovem demais (aos cinquenta anos, de ataque cardíaco) antes que pudesse ver seus livros publicados.
E você? Quais foram os livros que entraram recentemente para a lista das suas futuras leituras?

9 de nov de 2012

Promoção: Bebê de Outubro (Filme)


Se lembram que eu falei que a BV Films iria lançar o DVD do filme Bebê de Outubro (October Baby) no Brasil? Então, o lançamento ocorreu no mês passado e o MúsicaTVetc vai sortear, em parceria com a BV, um (1) DVD do filme pra vocês! ÔBA! Se você ainda não ouviu falar nada do filme mais lindo do ano, corre pra ler o post sobre o filme!

Para participar, basta seguir as instruções do Rafflecopter. Se houver dúvidas quanto ao sistema do sorteio, deixe um comentário nesse post e ele será respondido. Aproveitem, porque o filme é lindo e vale muito a pena! Boa sorte a todos! :-)

Termos e condições:
  • Você precisa ter um endereço de entrega no Brasil;
  • Para participar, basta usar um endereço de e-mail válido ou usar sua contar do Facebook;
  • O resultado será anunciado depois do dia 16 de novembro de 2012 nesse post;
  • O sorteado deverá responder o e-mail em até 72 horas;
  • O envio do DVD será feito pela BV Films.

Atenção: Você não precisa fazer tudo que é pedido, apenas a primeira opção é obrigatória para participar (seguir o blog pelo Google Friend Connect). Cada opção gera um "ticket" com seu nome no sorteio (algumas geram 2), ou seja, quanto mais entradas com o seu nome, mais chance você tem de ganhar.

31 de out de 2012

Análise: Sandy - Princípios, Meios e Fins

Sandy Leah - Princípios, Meios e Fins

Foi lançado ontem, dia 30, o novo EP da Sandy. No mesmo dia, coincidentemente, o furacão Sandy assolou a cidade de Nova York. Intitulado "Princípios, Meios e Fins", o trabalho foi feito de forma independente, mas foi lançado pela Universal Music, atual gravadora da cantora. Ainda assim, o futuro de Sandy é incerto na Universal, de acordo com a publicação de Meire Kusumoto na Veja. Quanto a qualidade de "Princípios, Meios e Fins", não há incertezas. É um álbum delicioso, intimista e que te prende da melhor forma no modo "repetição".

O EP traz cinco canções, sendo quatro composições de Sandy. Lançado no iTunes, chegou a desbancar a primeira posição de Roberto Carlos entre os álbuns mais vendidos. Vamos para a análise faixa-a-faixa?!

26 de out de 2012

Os melhores (e piores) tweets do apagão do Nordeste


No início da madrugada de hoje, dia 26 de outubro, rolou um apagão em todos os nove estados do Nordeste e parte da região Norte (saiba mais). Em outros tempos, na mesma situação, apenas nos reuniríamos com nossos familiares para conversar um pouco antes de ir dormir, porque só teríamos isso pra fazer; mas hoje, meu amigo, corremos para o Twitter pra xingar muito e tentar fazer piada. Eis aí a seleção das melhores (e piores) tuitadas sobre o #apagão. Bons risos (ou não)!

15 de out de 2012

Promoção: Guerreiros da Esperança


Em parceria com a Editora Arqueiro, o MúsicaTVetc sorteia um exemplar do livro Guerreiros da Esperança de Andrea Hirata. Para participar, basta seguir as instruções do formulário abaixo do Rafllecopter.

Termos e condições:
  • Você precisa ter um endereço de entrega no Brasil;
  • Para participar, basta usar um endereço de e-mail válido ou usar sua conta do Facebook; 
  • O resultado será anunciado depois do dia 16 de novembro de 2012 nesse post;
  • O sorteado deverá responder o e-mail em até 72 horas;
  • O envio do livro será feito pela editora Arqueiro.

a Rafflecopter giveaway

14 de out de 2012

Filme: Bebê de Outubro (October Baby)



Posso dizer, sem dúvidas, que October Baby é o filme mais lindo que assisti esse ano. Vi uns gringos elogiando o filme no Twitter e resolvi assistir sem muita pretensão. Não vi trailer, não li sinopse e a surpresa foi muito boa! Descobri que o filme será lançado em DVD esse mês no Brasil, pela BV Films, com o título "Bebê de Outubro", e que há uma adaptação literária que já estou doido pra ler!

10 de out de 2012

Resenha: A Culpa é das Estrelas, de John Green

Sinopse: A Culpa é das Estrelas narra o romance de dois adolescentes que se conhecem em um Grupo de Apoio para Crianças com Câncer: Hazel, uma jovem de dezesseis anos que sobrevive graças a uma droga revolucionária que detém a metástase em seus pulmões, e Augustus Waters, de dezessete, ex-jogador de basquete que perdeu a perna para o osteosarcoma. Como Hazel, Gus é inteligente, tem ótimo senso de humor e gosta de brincar com os clichês do mundo do câncer - a principal arma dos dois para enfrentar a doença que lentamente drena a vida das pessoas. 

A Culpa é das Estrelas
Autor: John Green
Título original: The Fault In Our Stars
Editora: Intrínseca
Avaliação: 4/5





Fiquei tão feliz por ter ganho o kit lindo de A Culpa é das Estrelas (esse aqui, ó) no especial #CulpaDoJohnGreen! A sinopse me interessou, achei a capa linda, apesar de simples, e já sentia uma simpatia pelo John Green mesmo sem ter lido nada dele. Depois da ótima experiência com Paper Towns, a curiosidade pra ler outro livro do autor só aumentou.

A Culpa é das Estrelas traz Hazel Grace como protagonista e narradora da trama. A garota de dezesseis anos tem câncer no pulmão e parece deprimida aos olhos de sua mãe, que resolve que a filha deve começar a frequentar as sessões do Grupo de Apoio para Crianças com Câncer e tratar de fazer amigos. Enquanto a mãe de Hazel acha que o grupo será a solução para a depressão da filha, Hazel acha que o grupo é que é "megadeprimente". É numa das sessões que Hazel conhece Augustus Waters, que perdeu a perna para o câncer e, diferente de seus outros colegas, tem uma aparência saudável e bonita. Vejamos a descrição de Hazel...

Na boa, vou logo dizendo: ele era um gato. Se um cara que não é gato encara você sem parar, isso é, na melhor das hipóteses, esquisito, e na pior, algum tipo de assédio. Mas se é um cara gato... na boa...

O autor constrói uma personagem resolvida com sua doença e com a consequência que esta lhe traz. Quem vê de fora talvez pense que Hazel tem um coração de pedra ou algo do tipo, mas não é. Isso não significa que ela não tenha sentimentos; Hazel só não aceita ficar de "mimimi" ou se valer da mesma piedade que as pessoas saudáveis têm das pessoas com câncer. Essa característica tem seu lado positivo, que até permite a garota fazer piada e rir de sua situação; em contrapartida, gera nela um lado um tanto pessimista e incrédulo.

Hazel e Gus (como é chamado) se apaixonam, mas a menina se mostra relutante por se achar uma "granada" prestes a explodir e acabar com tudo. Porém não é tão fácil assim se livrar de uma paixão, né? O livro segue com o processo de conhecimento dos dois, ótimas tiradas, momentos divertidíssimos entre Hazel, Gus e Isaac, e uma viagem cuja missão é bem peculiar.

John Green escreveu uma história realista e triste, mas deliciosa de ser lida. O romance de Hazel e Augustus é original, doce e nada forçado. A naturalidade da narrativa faz com que a leitura flua sem barreiras. Continuo com a opinião de que ele consegue criar histórias contemporâneas sobre jovens, com cenas e linguagem jovens e, ainda assim, manter uma profundidade que gera boas reflexões em qualquer um. A Culpa é das Estrelas não é um livro difícil de ser lido, mas também não é um livro tão fácil de ser absorvido.

A única solução seria tentar desmanchar o mundo, torná-lo negro e
silencioso e inabitado de novo, voltar ao momento anterior ao Big Bang,
no começo, quando havia o Verbo, e viver naquele espaço não criado
e vazio sozinha com o Verbo.

9 de out de 2012

OIOIOI: "Tufão" vira garoto-propaganda da Vivo

Tufão (Murilo Benício) em comercial da Vivo

No mundo da publicidade é assim: tem que ter as ideias certas e saber aproveitá-las no momento certo. Eu sei porque curso Publicidade e Propaganda. Mentira! Eu sei porque deve ser assim mesmo. E a Vivo acertou em cheio ao usar Murilo Benício, que encarna Tufão sem precisar de explicações, no vídeo promocional do serviço de internet da operadora. É a Vivo se aproveitando do efeito transmídia da novela Avenida Brasil. E tem momento mais certeiro para lançar o vídeo do que logo após o capítulo de maior audiência da novela (até agora)? O resultado foi divertidíssimo! Não podia faltar a camisa polo preta e um alerta de mensagem à la Divino, né?! Demais!

GIF: Carminha Chorando
Carminha clicou em não gostei.

[Atualizado: 10/10/12 às 22:35]
Xiii... Parece que a ideia não era tão certa assim! A Vivo tirou a propaganda do ar em seu canal oficial no YouTube, por infringir regras de relacionamento da Rede Globo com o mercado publicitário. O regulamento de relação com o mercado publicitário da emissora não permite o uso de personagens seus em ações de marketing. Ainda assim, como é de se esperar, é possível encontrar o vídeo pela internet, publicado por outros usuários.

O vídeo foi criado pela agência VML, do Grupo Newcomm cujo presidente é Roberto Justus. O próprio Justus reconheceu o erro e disse: “Um grupo com a nossa experiência jamais poderia ter entrado em uma roubada como esta.” Segundo o empresário, além de ter retirado o vídeo dos canais oficiais da Vivo assim que a Globo reclamou, sua agência está empenhada agora em impedir a reprodução em sites como o YouTube. Mas o impasse não calou os "marketeiros" da Vivo, que se aproveitaram da consequência e criaram outro vídeo para promover o serviço de internet. Veja abaixo:


Com informações de Meio & Mensagem.

6 de out de 2012

Resenha: Guerreiros da Esperança, de Andrea Hirata

Sinopse: A ilha de Belitung, na Indonésia, é riquíssima em recursos naturais, mas abriga contrastes sociais gritantes: de um lado, a grande empresa de extração de estanho, com suas modernas instalações e seus ricos executivos; de outro, o povo nativo, que vive numa miséria indescritível. É nesse cenário que a jovem professora Bu Mus e o diretor Pak Harfan tentam garantir a seus dez alunos o direito inalienável à educação. Eles têm que lutar contra as mais diversas dificuldades, como o estado decrépito do casebre em que as aulas acontecem, as constantes ameaças do superintendente escolar e as gigantescas escavadeiras, prontas para explorar o solo em seu terreno.

Guerreiros da Esperança
Autor: Andrea Hirata
Título original: Laskar Pelangi
Editora: Arqueiro
Avaliação: 3,5/5

E, como é de conhecimento geral, se o coração não sente inveja de alguém com conhecimento, pode ser iluminado pelos raios do esclarecimento.
Como a burrice, a inteligência é contagiosa.
Guerreiros da Esperança traz a realidade de onze crianças da ilha de Belitung, localizada na Indonésia. A história é contada por Ikal, que é narrador e personagem. O livro relata, basicamente, as aventuras e desventuras dessas crianças que estudam na SD Muhammadiyah, uma escola bem precária, e como a professora Bu Mus e o diretor Pak Harfan lutarão pelo direito delas.

A história já começa com uma dificuldade: são necessárias, no mínimo, dez crianças para que a  Muhammadiyah continue aberta. Com a chegada de Harun, a turma é completa, mas isso não garantirá que a escola funcione para sempre. Bu Mus e Pak Harfan precisarão ensinar a essas crianças a acreditarem em si mesmas e incitar nelas o desejo pelo conhecimento, mesmo que não seja tão fácil e agradável ir e estar na escola.

O livro tem poucos diálogos, e foca bastante no dia-a-dia das crianças, o desenvolvimento delas na escola e as amizades que se formam, além do contraste social da ilha. O autor (que é Andrea, mas é homem) tratou de falar bastante da geografia do lugar, o que não vejo como uma característica boa. Pareceu, muitas vezes, que a trama ficava em segundo plano porque o que ele queria era exaltar o lugar em que viveu. Veja bem, nada contra ele explanar isso, mas quando não soa de forma natural na história, chegando a ser uma descrição desnecessária, aí é um problema. Ainda assim, esse deve ter sido um dos motivos do livro ter sido tão bem sucedido na Indonésia e, consequentemente, chegar a outros lugares do mundo.

A capa da edição brasileira é do filme do livro, lançado em 2008 (veja o trailer no final do post). Eu prefiro a outra versão americana da capa (a primeira abaixo); acho que esta teria um apelo comercial melhor, apesar de a segunda se tratar de uma parte bem especial da trama. Guerreiros da Esperança é a primeira parte da série Laskar Pelangi. Os outros livros são: Sang Pemimpi (O sonhador), Edensor e Mayamah Karpov (não foram lançados no Brasil).

A experiência me ensinou algo importante sobre a pobreza:
ela é uma mercadoria.
Gostei do livro e achei que a leitura valeu a pena. Além da história ser bem bacana e semi-autobiográfica, mostra a realidade de um local que eu, particularmente, não conhecia. Já foi um acréscimo cultural, né?! O livro retrata uma realidade bem sofrida, mas quando fui procurar pela ilha no Google só vi imagens lindas. O lugar é um paraíso! Sugiro que veja o seguinte post para ver alguns dos cenários do livro, inclusive a escola na qual o autor estudou e inspirou o livro: Belitung Islands – A Hidden Paradise


26 de set de 2012

The Voice Brasil: primeiras impressões


Estreou no último domingo, dia 23, The Voice Brasil. O reality musical exibido pela Rede Globo é a versão brasileira do original da Holanda. O formato é sucesso pelo mundo e traz um bom diferencial, comparado aos já conhecidos Ídolos e The X Factor. Eu estava superempolgado para a estreia do programa, pois já o via como uma esperança de um reality musical mais sério, que desse mais resultado, sem aquela babaquice (e, por que não?, falta de respeito à música) do Ídolos.

The Voice Brasil traz Daniel, Claudia Leitte, Carlinhos Brown e Lulu Santos como técnicos. Não fiquei 100% satisfeito com a escolha. Eu dispensaria Claudia Leitte e Daniel. Queria muito ver Ivete Sangalo ou Sandy nas cadeiras, mas é claro que também temos outros grandes nomes da música brasileira que poderiam ocupar dignamente esses lugares. Ainda assim, creio que o carisma de Ivete traria outra atmosfera para o programa. Desejos irrealizados à parte, vamos comentar o que aconteceu e o que temos.

16 de set de 2012

Vídeo-Resenha: Exclusiva, de Annalena McAfee


Aqui está, como prometido, a vídeo-resenha de Exclusiva. Desculpem as repetições, enrolações e minha incapacidade de expressão em alguns momentos. Mas dá uma trégua, vai?! Afinal, essa foi a terceira tentativa de gravação (as outras tinham ficado melhores)! :(


• Links:
- Entrevista de Annalena McAfee para Folha de S.Paulo
- Resenha em texto do livro

10 de set de 2012

Na Minha Caixa de Correio #9

Na Minha Caixa de Correio - MúsicaTVetc
Meme criado pela Kristi do blog The Story Siren
Olá, pessoas legais que acessam o blog! :) O Na Minha Caixa de Correio está de volta, e traz uma pequena novidade! Para saber qual é, você terá que assistir ao vídeo! :P Foi uma pequena incrementação, mas que acho que já dá um diferencial pra o NMCC do MúsicaTVetc. Nunca vi isso em outros (não que eu assista muitos), mas, se alguém já fez, JURO que não foi plágio e que não copiei de ninguém. 0:-) ENJOY!


• Chegou:
- Starters, de Lissa Price
- Diário de um Banana, de Jeff Kinney
- A Idade dos Milagres, de Karen Thompson Walker
- Uma Breve História do Cristianismo, de Geoffrey Blainey

• Links:
- Especial Starters (com link do e-book Retrato de uma Starter)
- Resenha de Exclusiva
- Faça o download do aplicativo do blog!
- Siga o blog no Twitter
- Curta no Facebook
- Siga no Google Plus

Até o próximo NMCC! Ah, não esquece de comentar contando o que você achou da pequena novidade! :)

7 de set de 2012

Resenha: Exclusiva, de Annalena McAfee

Sinopse: De um lado, a correspondente de guerra Honor Tait. Ela cobriu praticamente todos os grandes conflitos do século XX, além de ter levado uma vida amorosa movimentada e cercada de mistério. A "Dietrich da sala de redação" hoje tem oitenta anos, tornou-se desconhecida das novas gerações e vê sua carreira declinar. Do outro, Tamara Sim, colunista de um suplemento de celebridades, repórter freelancer movida a emoção e igualmente desconhecida. Quando a segunda é enviada para escrever sobre a primeira, o espaço que separa esses mundos dá lugar a uma guerra tragicômica repleta de segredos, mentiras e prazos apertados. Exclusiva revela com humor e veneno os bastidores do jornalismo, desde o funcionamento dos grandes jornais às eternas picuinhas de repórteres, colunistas e editores. 

Exclusiva
Autora: Annalena McAfee
Título original: The Spoiler
Editora: Companhia das Letras

"É claro que não. Você não entende nada. Por que entenderia?"
Era uma dupla maldição: confiança e ignorância, pensou Honor.
Recebi a prova antecipada de Exclusiva no dia 10 de julho (Na Minha Caixa de Correio #7). O livro era minha prioridade na "fila", afinal era uma ~prova antecipada~! :P A leitura anterior tinha sido Deslembrança, uma literatura totalmente diferente e quase oposta a de Exclusiva, que é um livro adulto. Minha experiência foi muito arrastada. Li boa parte do livro porque queria acabar, não por estar gostando. As coisas começaram a ficar mais interessantes depois da metade...

Exclusiva traz duas protagonistas. De um lado a repórter de guerra Honor Tait, de 80 anos; do outro a jovem jornalista Tamara Sim, que escreve sobre celebridades e é freelancer. O começo, confesso, é muito chato. Principalmente para quem está acostumado com leituras jovens, de narrativas e vocabulários mais contemporâneos. As adjetivações excessivas chegam a irritar! E essas partes mais irritantes são as partes de Honor Tait. Tudo que envolve a vida dela parece ser um saco! Tão "saco" que, quando partimos para o ambiente da Tamara, tudo que a gente consegue fazer é torcer por ela e querer mais páginas sobre a moça. Quando essas páginas acabavam, eu pensava "lá vamos nós para o mundo chato de Honor...".

Honor Tait foi responsável por matérias de grande importância como, por exemplo, sobre Guerra do Vietnã e o Dia D, na Segunda Guerra Mundial. Mas agora, aos oitenta anos, ela não tem tanta relevância no mundo do jornalismo. Apesar disso, Honor irá lançar um novo livro com relatos de várias de suas experiências passadas como jornalista. Para a divulgação gratuita do livro, Honor terá que ceder uma entrevista em seu apartamento para uma revista, falando um pouco sobre sua vida e seu futuro lançamento.

Tamara será a responsável pela entrevista. Ela recebeu o convite da editora da revista S*nday, e logo aceitou, sem poupar elogios à Honor e dizer que a admirava muito. Mas, na verdade, Tamara nem sabia que Honor ainda estava viva! A jovem agarra a oportunidade como uma chance de ascender no mundo jornalístico. Logo fica claro que Tamara se meteu em algo que vai além de seus conhecimentos. Ela não nega suas raízes, o mundo das celebridades, e acaba querendo arrancar fatos sobre a vida pessoal de Honor. Mas a entrevistada se mostra nada simpática e aberta para essas questões.

O livro segue com o "pós-entrevista", com Tamara determinada a elaborar sua matéria e Honor a terminar seu livro. Ah, e também alguns fatos das vidas privadas das duas, é claro! A verdade é que será preciso muita força de vontade para ler esse livro, para quem está acostumado com livros jovens e de vocabulário mais contemporâneo. Como eu já disse, só depois da metade é que começa a ficar interessante e a realmente prender.

Enquanto eu me lamentava de estar lendo sem gostar, pensava que se o livro não tivesse um bom final, a nota seria 2, o classificando como um livro regular, mas o final bom veio! É uma reviravolta excelente! Todo jornalista e estudante de jornalismo deve ler! Ainda assim, será que o final bom compensa grande parte da má experiência? Não sei, por isso preferi não avaliar esse livro com nota.

Ps.: Queria comentar mais coisas, mas não vou soltar spoilers. Então decidi fazer um vídeo-resenha com spoilers, porque eu tenho muito mais coisas pra falar sobre Exclusiva! :)

Assista: Vídeo-resenha - Exclusiva, de Annalena McAfee

5 de set de 2012

Por que o Ídolos não passa de um péssimo programa de humor

Supla - Ídolos

Primeiro quero deixar claro que não tenho nada contra a reprodução de formatos. Bons programas devem ser importados, desde que consigam manter a qualidade original. Mas manter qualidade tem sido algo difícil para a produção televisiva do Brasil há muito tempo.

Ontem começou mais uma temporada do Ídolos, versão brasileira do britânico "Pop Idol", formato mais conhecido pela extremamente bem sucedida versão americana, "American Idol". O Ídolos chegou ao Brasil em 2006, no SBT. Lá o programa teve duas edições. A ganhadora da segunda, Thaeme Mariôto, está até aparecendo bastante na TV ultimamente. Parece que a moça cedeu à moda da indústria, formando uma dupla de sertanejo universitário. Ai, ai... O programa continuou em 2008, dessa vez na Rede Record, na qual vem sendo exibido até hoje.

O "American Idol" revelou grandes vozes e sucessos incontestáveis no cenário da música americana e mundial. Os vencedores mais conhecidos, no caso vencedoras, são Kelly Clarkson e Carrie Underwood, que hoje desfrutam de carreiras sólidas. Não é o que acontece por aqui. Você se lembra o nome do vencedor da última edição do Ídolos? E da penúltima? Pois é... Por que será que os supostos novos "ídolos" brasileiros não vingam?

A edição de 2010 (7ª temporada brasileira, e 5ª na Record) troca Rodrigo Faro por Marcos Mion como apresentador. O Rodrigo não era lá grande coisa, mas parece que o Mion traz a atmosfera de fracasso, decadência e falta de graça do Legendários. Mas antes fosse esse o grande problema do programa! Essa nova temporada traz nada mais nada menos que Supla (quem?) como jurado. Um júri, segundo o dicionário, é a comissão encarregada de julgar o mérito de alguém ou de alguma coisa. Uau! Que responsabilidade, hein? Mas quem diabos é Supla para julgar o mérito de alguém quando se trata da formação de um "ídolo", alguém que cante bem e provavelmente terá sucesso no mundo da música? Quais são as competências desse rapaz, cujo maior feito deve ter sido participar da Casa dos Artistas (se você não tiver a mínima ideia do que seja isso, considere-se uma pessoa de sorte)?

Como se não bastasse, a emissora do bispo ainda estreia o Ídolos Kids. Ah, claro! Tudo que o país precisa é de um ídolo mirim! SRSLY?? Mas a falta de noção não para por aí!!! Quem compensa Supla no júri da versão infantil, que promete ser tão boba e ineficaz quanto a adulta, é Kelly Key (que desistiu da carreira de cantora! \o/) e João Gordo, acompanhados de Afonso quem? Nigro. OH NO! Precisa mesmo de comentários? Resta saber se um dos três exercerá o papel ridículo do Marco Camargo, e ironizará e humilhará as crianças da competição.

Se você sonha em ser um cantor ou uma cantora bem sucedida, é melhor jogar um vídeo no YouTube que dá mais futuro. Fuja da maldição do Ídolos. Tente o The Voice Brasil! Este sim promete levar música a sério e trazer um novo talento para o cenário musical brasileiro. Além do formato ser mais interessante (julgar apenas pela voz), o programa será exibido na Globo. Pensem comigo. A Globo nunca irá querer um vencedor do Ídolos em seus programas. Mas é claro que todas as outras emissoras se renderão caso o vencedor do The Voice Brasil faça sucesso. Além do Ídolos ser ruim, ainda sofre boicote da "grandona"! Bem feito.

O Ídolos não passa de um péssimo programa de humor porque não leva a música a sério. Pelo contrário, só contribui para a banalização da mesma. Isso é tão verdade que ele é mais conhecido pelos candidatos ruins do que pelos bons. O programa passa mais tempo exibindo performances bizarras e humilhações gratuitas desnecessárias do que, de fato, aqueles que se saíram bem e podem ser o possível ganhador, a quem eles darão o título de "ídolo". A única marca que o showzinho deixa são vídeos "engraçados" no YouTube. É autossabotagem, piada de si mesmo e tentativa frustrada de qualquer coisa.

10 de ago de 2012

Futuras Leituras #4

Olha eu aqui com mais um Futuras Leituras! Hoje trago dois livros que prometem ser recheados de drama! E sim, eu amo um bom drama! ;___; Vamos a eles!


Depois da experiência maravilhosa lendo Paper Towns, é CLARO QUE ÓBVIO QUE COM CERTEZA (lá vem o exagerado...) que eu quero ler "Quem é Você, Alasca?"! Este foi o primeiro livro do autor a ser lançado no Brasil. A obra ganhou o prêmio Michael L. Printz da American Library Association (Associação Americana de Livrarias). O prêmio anual reconhece o "melhor livro escrito para adolescentes, baseado totalmente em seu mérito literário" [¹]. Espero poder ler muito em breve não só esse, mas todos os outros livro do John Green.

Sinopse: Miles Halter é um adolescente fissurado por célebres últimas palavras que, cansado de sua vidinha pacata e sem graça em casa, vai estudar num colégio interno à procura daquilo que o poeta François Rabelais, quando estava à beira da morte, chamou de o “Grande Talvez”. Muita coisa o aguarda em Culver Creek, inclusive Alasca Young, uma garota inteligente, espirituosa, problemática e extremamente sensual, que o levará para o seu labirinto e o catapultará em direção ao Grande Talvez. 


Aqui vão 3 motivos para eu querer ler "Os 13 Porquês": 1. A capa é massa; 2. Hannah se matou e deixou gravado os motivos de seu suicídio em fitas cassetes. Ou seja: MUITO drama por aí...; e 3. A capa é MASSA! Convenci? :-P Mas (tinha que ter um mas) bem que o preço poderia ser mais bacaninha, né? Só achei de R$30 pra cima! É até provável que eu compre em inglês, afinal posso pagar R$20 pela versão paperback e com frete grátis (Book Depository <3). Mas a capa americana não é tão ~massa~ quanto a brasileira. :( Em compensação, o título original é mais legal, porque faz um trocadilho com o um e o três: TH1RTEEN R3ASONS WHY. Legal, né?

Sinopse: Ao voltar da escola, Clay Jensen encontra na porta de casa um misterioso pacote com seu nome. Dentro, ele descobre várias fitas cassetes. O garoto ouve as gravações e se dá conta de que elas foram feitas por Hannah Baker - uma colega de classe e antiga paquera -, que cometeu suicídio duas semanas atrás. Nas fitas, Hannah explica que existem treze motivos que a levaram à decisão de se matar. Clay é um desses motivos. Agora ele precisa ouvir tudo até o fim para descobrir como contribuiu para esse trágico acontecimento.

E aí? Quais são os livros que estão na lista de futuras leituras de vocês? Conta pra gente nos comentários! ;)

30 de jul de 2012

Na Minha Caixa de Correio #8

Na Minha Caixa de Correio - MúsicaTVetc
Meme criado pela Kristi do blog The Story Siren

• Chegou:
- Guerreiros da Esperança, de Andrea Hirata (cortesia)
- Hate List (A Lista Negra), de Jennifer Brown
- Gold, de Britt Nicole (CD)

• Links:
- Resenha de Paper Towns
- Resenha de Deslembrança
- Faça o download do aplicativo do blog!
- Siga o blog no Twitter
- Curta no Facebook
- Siga no Google Plus

Até o próximo NMCC! :)

Resenha: Paper Towns, de John Green

Sinopse: Quentin Jacobsen passou a vida amando de longe a magníficamente ousada Margo Roth Spiegelman. Então, quando ela abre uma janela e sobe para a vida dele – vestida como um ninja e o convocando para uma engenhosa campanha de vingança – ele vai atrás. Depois que a noite dos dois acaba e um novo dia começa, Q chega na escola e descobre que Margo, sempre um enigma, se tornou um mistério. Mas Q logo descobre que há pistas, e elas são para eles. Impelido por um caminho desconectado, quanto mais perto ele chega, menos Q vê da garota que ele achava que conhecia.

Paper Towns
Autor: John Green
Origem: Estados Unidos
Editora: Speak
Avaliação: 5/5




O que falar de um livro que te deixa com um misto enorme de sentimentos no final da leitura? Que complicado! Foi assim que me senti quando terminei de ler Paper Towns. Foi meu primeiro livro em inglês, e até que me saí bem. Gostei MUITO da narrativa do John Green e dos personagens (saudades deles já ;__;), e de como a história é jovem, divertidíssima e ao mesmo tempo profunda e cheia de significados.

The guy just rolled his eyes and walked away, and Margo's hand lingered for a minute and I took the opportunity to put my arm around her. "You really are my favorite cousin," I told her. She smiled and bumped me softly with her hip, spinning out of my embrace.
"Don't know it," she said.

Quentin Jacobsen, ou Q, como é chamado por seus amigos, é vizinho da incrível Margo Roth Spiegelman desde quando eram crianças. Em outros tempos eles até brincavam juntos, mas hoje ela é o tipo de garota linda e popular da escola, enquanto ele anda com sua trupe de "nerds". Mesmo depois de se afastarem, Q parece que sofre uma paixão platônica por Margo, uma idealização da garota.

"That always seemed so ridiculous to me, that people would want to be around someone because they're pretty. It's like picking your breakfast cereals based on color instead of taste."

Um dia, para surpresa de Quentin, Margo aparece na janela dele o convidando para uma aventura vingativa contra algumas pessoas durante a madrugada, e esse é o momento que eu não conto o porquê disso e deixo você curioso para ler o livro. Enfim, eles saem na minivan da mãe de Q na madrugada e têm essa aventura louca e divertida pela cidade de Orlando. Quando essa noite termina, Quentin tem a esperança de que tudo mude depois disso. Margo vai voltar a falar com ele, talvez até ande com seus amigos e sente com eles no refeitório. Mas a garota não aparece na escola, nem no dia seguinte, nem no outro e nem no próximo.

Não é estranho que Margo suma por alguns dias, afinal ela já fez isso várias vezes. É por esse motivo que seus pais não se mostram preocupados, pelo contrário, se mostram cansados e meio que "desistem" de se preocupar com a filha. Mas Q estranha que Margo suma por tantos dias, ainda mais depois da noite que tiveram, e acaba descobrindo que ela deixou pistas para ele. Junto com seus amigos, Quentin vai juntar todas as peças para tentar encontrar Margo.

So yes, like Ben, I harbored ridiculous prom fantasies. But at least I didn't say mine out loud.

O mistério em torno do sumiço de Margo é muito bom! E o bacana é que em meio a tudo isso há sacadas e analogias muito interessantes, que fazem você ficar pensando na vida, sabe? Ao mesmo tempo você vai rir muito com as pérolas de Ben e Radar, os amigos de Quentin. Foi isso que admirei na narrativa do John Green. É um livro sobre jovens, com cenário jovem, trazendo muitas "palhaçadas" de jovens, mas ao mesmo tempo tem um conteúdo muito forte e que serve para todas as idades.

O final me deixou com sentimento de impotência, eu queria mudar aquilo, eu fiquei com raiva, eu queria que não fosse assim, mas aceitei porque foi verdadeiro. Enfim, amei o livro! :') Ah, outra coisa que me fez gostar ainda mais foi o fato de ter um protagonista e narrador masculino. Isso faz MUITA falta no universo YA! :P Então está super recomendado! Não vejo a hora de ler outros livros do John Green.

The town was paper, but the memories were not.

27 de jul de 2012

Análise: Negra Li - Tudo de Novo

Negra Li - Tudo de Novo

Negra Li traz "Tudo de Novo", produzido por Rick Bonadio, depois de ter seu primeiro álbum solo lançado em 2006. O anterior, intitulado "Negra Livre" tem ótimas músicas como "Ninguém Pode Me Impedir", "Amar Em Vão", "Mundo Jovem" e "Negra Livre"; mas esse trazia uma atmosfera de rap e hip-hop. Em 2012, Negra Li apresenta outra face de seu trabalho, com músicas que fazem de Tudo de Novo um dos melhores álbuns nacionais da atualidade.

"Eu sempre gostei de tudo, eu sempre fui eclética. Minha história é regada de participações bacanas", disse a cantora em entrevista a MixTV. "Eu já transitei por vários gêneros, e isso me trouxe uma bagagem bacana. Então eu sinto que posso cantar qualquer coisa."

"Tudo de Novo" traz pegadas do pop e pop-rock dos anos 80 e 90, soul e neo soul internacional, R&B, influências do soul de Tim Maia e até passeia pelo jazz! Confesso que não ouço muita música nacional (feliz ou infelizmente), mas Negra Li e os envolvidos na produção desse álbum acertaram em cheio. Vamos para os comentários faixa-a-faixa? Vem!

26 de jul de 2012

Futuras Leituras #3

Chegou a hora de compartilhar com vocês dois livros que lerei no futuro, seja ele breve ou nem tanto. Vamos lá? Ah, não esqueça de deixar seu comentário contando se você já leu esses livros e quais você não ver a hora de ler também! :-)

Guia Politicamente Incorreto da América Latina

Fiquei apaixonado pelo projeto gráfico do "Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil". É um livro gostoso de se ler, e boa parte dessa experiência é proporcionada pela ótima arte e diagramação. Mas é claro que o conteúdo é excelente e, principalmente, intrigante. É por isso que já comprei o Guia Politicamente Incorreto da América Latina, na esperança de repetir a dose. Tenho certeza de que será tão legal, intrigante, surpreendente e interessante quanto a leitura do primeiro volume da série.

Sinopse: Tudo neste livro é contra as regras batidas com as quais se conta a história da América Latina. Não nos sentimos representados por guerrilheiros ou por indignados líderes andinos e suas roupas coloridas. Não há aqui destaque para veias abertas do continente, mas para feridas devidamente tratadas e curadas com a ajuda de grandes potências. Conhecemos bem as tragédias que nossos antepassados índios e negros sofreram, mas, honestamente, estamos cansados de falar sobre elas. E acreditamos que todos os povos passaram por desgraças semelhantes, inclusive aqueles que muitos de nós adoram acusar. Na história de quase todo país, é comum abrilhantar as palavras de figuras públicas e até inventar virtudes de seu caráter, e não passa de chatice ficar insistindo numa realidade menos interessante. Acontece que na América Latina se vai além: escolhem-se como heróis justamente os homens que mais atrapalharam a política, mais arruinaram a economia, mais perseguiram os cidadãos. Por isso, não há como escapar: é ele, o falso herói latino-americano, o principal alvo deste livro.

Sua Resposta Vale Um Bilhão - Vikas Swarup

Eu assisti ao filme "Quem Quer Ser um Milionário?" de novo, depois de anos, essa semana e me lembrei o quanto queria (e ainda quero) ler o livro no qual o filme foi baseado. Acho uma história sensacional e emocionante. O filme é muito, muito bom! E não foi à toa que ganhou em oito categorias no Oscar de 2009, incluindo melhor filme e melhor direção. Se você ainda não assistiu corre pra baixar, locar ou qualquer coisa. Você precisa ver "Quem Quer Ser um Milionário?". Ainda não comprei o livro... Ele tem um preço um pouco salgado, sabe? E olha que estou falando da edição econômica! Acho que já tá na hora de dimnuir, né? Faz tempo que lançou... Meu bolso agradecerá. :P

Sinopse: O contador de histórias aqui é Ram Mohammad Thomas, um garçom de dezoito anos que ganhou um bilhão de rupias - o maior prêmio de todos os tempos - num programa televisivo de perguntas e respostas. Os organizadores do concurso, inadimplentes, se recusam a pagar o prêmio. Alegam que um garoto inculto como Ram não poderia conhecer as respostas, e o entregam à polícia para que ele seja torturado e confesse a fraude. Salvo por uma advogada, Ram terá de contar a ela a história de sua vida. Cada episódio explica como ele ficou sabendo coisas como o significado da inscrição "INRI", que aparece nos crucifixos, e qual a maior condecoração por bravura concedida pelas forças armadas indianas.

16 de jul de 2012

Filme: O Espetacular Homem-Aranha

O Espetacular Homem-Aranha (The Amazing Spider-Man)


Acho que o Homem-Aranha é mesmo o meu super-herói favorito. Ele era um cara normal, foi mordido por uma aranha e puf!, tudo mudou! Ele não tem lá tanta autoconfiança e acaba salvando as pessoas não porque ele queira fazer isso, mas porque, como dizia tio Ben, "com grandes poderes vêm grandes responsabilidades". Depois de três adaptações para os cinemas, trazendo Tobey Maguire como protagonista, o aranha volta às telonas sem Mary Jane e interpretado por Andrew Garfield (A Rede Social).

Creio que todos que assistiram aos três filmes com o Tobey vão ao cinema asistir O Espetacular Homem-Aranha com um padrão em mente. O filme será melhor ou pior que a primeira adaptação. Uma coisa é óbvia: os efeitos são melhores. Afinal, fazem dez anos desde o lançamento de Homem-Aranha! Mas como eu gosto bastante da adaptação com o Tobey Maguire, não seria lá tão fácil me conquistar... O que eu achei? Que o Tobey é um homem-aranha muito melhor, e que a primeira trilogia traz um Peter Parker muito mais bacana e com conteúdo.

Atenção: os comentários a seguir contêm informações sobre algumas cenas e roteiro do filme, que podem ser consideradas spoiler.

A nova adaptação tem trilha sonora que deixa a desejar, e traz cenas forçadas de humor. Imagina o Peter, vestido de Homem-Aranha, jogando um joguinho de bolhas no celular enquanto espera o vilão aparecer numa estação subterrânea de esgoto? Imagina Peter acordando a primeira vez depois da mordida e arrancando maçanetas e teclas do computador "sem querer"? Ainda assim, tanta força não foi capaz de dar a ele a visão perfeita de volta, já que ele continuou com os óculos, uma das primeiras mudanças de Peter no filme de 2002. Ah, esse novo homem-aranha não produz teias naturalmente, ele cria um mecanismo que as libera, como nos quadrinhos. Mas dá no mesmo, já que elas não acabam em momento algum durante o filme.

15 de jul de 2012

Na Minha Caixa de Correio #7

Na Minha Caixa de Correio - MúsicaTVetc
Meme criado pela Kristi do blog The Story Siren
Hoje o Na Minha Caixa de Correio é com foto, já que nessa última semana só recebi um livro. E o livro foi...


Exclusiva, de Annalena McAfee, lançamento da editora Companhia das Letras. Recebi a prova do livro (apesar de parecer edição final, as folhas são brancas, não tem orelhas e é feito de um material mais simples) por ter ganhado um sorteio no Facebook (sorte! êba!). Já comecei a ler e posso dizer que é um livro adulto, a narrativa não é rápida (pelo menos até agora) e o vocabulário também não é tão informal. Estou empolgado pra pegar o ritmo da história lá pelo meio do livro. Leia a sinopse abaixo:

De um lado, a correspondente de guerra Honor Tait. Ela cobriu praticamente todos os grandes conflitos do século XX, além de ter levado uma vida amorosa movimentada e cercada de mistério. A "Dietrich da sala de redação" hoje tem oitenta anos, tornou-se desconhecida das novas gerações e vê sua carreira declinar.
Do outro, Tamara Sim, colunista de um suplemento de celebridades, repórter freelancer movida a emoção e igualmente desconhecida.
Quando a segunda é enviada para escrever sobre a primeira, o espaço que separa esses mundos dá lugar a uma guerra tragicômica repleta de segredos, mentiras e prazos apertados. Exclusiva revela com humor e veneno os bastidores do jornalismo, desde o funcionamento dos grandes jornais às eternas picuinhas de repórteres, colunistas e editores.

• Links:
- Resenha de Você Está Sendo Vigiado
- Resenha de O Garoto no Convés
- Faça o download do aplicativo do blog!
- Siga o blog no Twitter
- Curta no Facebook
- Siga no Google Plus

Até o próximo NMCC! :)

12 de jul de 2012

Resenha: Deslembrança, de Cat Patrick

Sinopse: Toda noite, quando London Lane recosta a cabeça no travesseiro e dorme, cada mínimo detalhe do dia que viveu desaparece de sua memória. Pela manhã, restam-lhe apenas lembranças do futuro: pessoas e acontecimentos que ainda estão por vir. Para conseguir manter uma rotina minimamente normal, London escreve bilhetes para si própria e recorre à sempre fiel melhor amiga. Já acostumada a tudo isso, ela tenta encarar a perda de memória mais como uma fatalidade do que como uma limitação. Mas, quando imagens perturbadoras começam a surgir em suas lembranças e London precisa, de algum modo, escapar delas, fica claro que para entender o presente e o futuro ela terá que decifrar o que ficou esquecido no passado. Misto de romance e thriller psicológico, Deslembrança mantém o tempo todo aquela inquietante pergunta martelando na cabeça de quem lê: E se?

Deslembrança
Autora: Cat Patrick
Título original: Forgotten
Editora: Intrínseca
Avaliação: 3/5

Quem leu o Futuras Leituras #2 sabe que eu estava bastante empolgado pra ler Deslembrança. O book-trailer em preto e branco e com a musiquinha de suspense me convenceu instantaneamente! O "problema" é que ele não transmite o verdadeiro clima do livro. Apesar de a sinopse sugerir algo bem complicado, anormal e intrigante, Deslembrança traz a realidade da protagonista de forma natural e, muitas vezes, até calma.

London Lane sofre de uma anormalidade bem curiosa. Todos os dias, especificamente às 4:33 da manhã, suas memórias desaparecem e sua mente é zerada. O que vestiu no dia anterior, o que comeu, com quem falou, quem conheceu... Ela não sabe. As únicas lembranças que possui são do futuro, ou seja, ela sabe o que vai acontecer, mas não se lembra do que já aconteceu. Mas calma aí! Não é como se a cada vez que ela acordasse ela tivesse que ser apresentada a todo mundo, até a sua mãe, por exemplo. Não! Ela se lembra de sua mãe, mas não se lembrará de uma conversa que teve com ela duas semanas atrás ou ontem, por exemplo. Mas se ela conhecer alguém hoje, ela não se lembrará desse alguém amanhã (ai meu Deus, Gabriel, que confusão!). Parece que as pessoas mais próximas não são esquecidas, já que ela também se lembra de sua melhor amiga Jamie.

Isso me faz perceber o quanto valorizo a disposição de Jamie de confiar em mim sem saber. Ela não pode ver o que acontecerá. Para Jamie, nosso relacionamento é uma aposta. Mesmo assim, ela permanece comigo. Continua a jogar os dados.
Pergunto-me se meu coração acompanha a passagem do tempo, ainda que minha cabeça não consiga.

O que London faz pra sobreviver com esse seu "probleminha"? Todos os dias, antes de dormir, ela anota bilhetes para si mesma, contando o que aconteceu e precisa se lembrado. Então, no dia seguinte, ela poderá lê-los e ficar por dentro de tudo que ela mesma viveu. Ela anota tu-do? Tudo que é relevante, claro. Isso inclui até a roupa que vestiu, porque ela não é boba de acabar repetindo a roupa do dia anterior na escola, né?

London está no penúltimo ano da escola, e é durante um alarme falso de incêndio que conhece um garoto novo, Luke Henry. Quando todos saem do prédio, eles se conhecem e têm uma pequena conversa. Ele é lindo e ela logo se vê atraída por ele. Já à noite, antes de dormir, London tenta enxergar Luke em suas visões do futuro. Vão namorar? Vão manter contato por anos? London quer que a resposta seja "sim", mas Luke não está em seu futuro. Então ela decide não escrever sobre ele nos seus lembretes.

Quando finalmente aceito o fato, a verdade dói. Mas não há tempo para demorar no assunto, e existem apenas duas possibilidades: posso lembrar a mim mesma de alguém que não faz parte da minha vida ou posso deixá-lo fora de meus bilhetes e me poupar de passar por tudo isso amanhã, de novo.
A essa hora, com a cabeça a minutos de "reiniciar", não parece haver nada a decidir. Cerro os dentes, pego a caneta e faço o que preciso fazer.
Minto para mim mesma.

Mas você já deve imaginar que eles vão se encontrar de novo, afinal estudam no mesmo local. Mas a trama não é só isso. London tem uma lembrança do futuro em que se vê em um funeral. Sua mãe está chorando, e sua avó também. Quem irá morrer? London teme lembrar-se desse enterro até que alguém morra.

A narrativa de Cat Patrick é rápida e agradável; é direta e não perde tempo dando muitas explicações. Apesar de ser um livro curto, os personagens cativam o leitor facilmente. London foge de estereótipos e Jamie, apesar de louquinha, é muito amável. O decepcionante para mim foi o livro não ter tanto suspense quanto eu esperava. O desfecho é uma surpresa, mas o final é tão rápido, inconsistente e insuficiente que parece que não dá tempo de ficar tão surpreso assim. Acaba que a primeira metade do livro é muito boa, e a segunda alterna entre momentos regulares e bons. Uma pena para uma história que tinha MUITO potencial e muito mais para ser explorado.

Contudo, ainda é um livro bacana e que vale a pena ser lido. Eu pretendo ler de novo e tentar achar alguns ~furos~ na trama, ou detalhes que talvez passaram despercebidos por mim. Se o filme baseado na obra sair mesmo, acho que será melhor que o livro. Só me resta esperar pra ver.

6 de jul de 2012

As 11 maiores adaptações dos livros para as telonas dos últimos 25 anos

As 11 maiores adaptações dos livros para as telonas dos últimos 25 anos

O The Hollywood Reporter atualizou sua lista das 10 maiores adaptações de livros para o cinema. Quem será que entrou para a lista ocupando a 11º posição?

Sempre à procura de uma boa história, Hollywood muitas vezes se volta para a literatura para inspirar alguns de seus filmes mais bem sucedidos. Enquanto a indústria tem a reputação de arruinar romances clássicos, vários cineastas conseguiram alcançar a grandeza com suas adaptações para as telonas. Entre alguns dos mais notáveis nos últimos anos, está a franquia "Harry Potter", "Forrest Gump" e, claro, "Senhos dos Anéis".

4 de jul de 2012

Resenha: Você Está Sendo Vigiado, de Gregg Hurwitz

Sinopse: Patrick Davis tinha um sonho: ver seu nome nos créditos de um filme. Mas não imaginava o preço que teria de pagar por isso. Logo depois de vender seu primeiro roteiro a um estúdio, sua vida entra em colapso. Ele não consegue se firmar como roteirista de Hollywood e, para piorar, seu casamento mergulha numa crise. Misteriosamente, Patrick passa a receber DVDs com gravações dele e da esposa dentro de casa. Após descobrir câmeras escondidas, o casal procura a polícia. Dias depois começam as ligações e os e-mails anônimos propondo um acordo para que tudo volte ao normal. Desesperado, ele não hesita em aceitar a oferta. Mas sua decisão se revela um erro. Logo ele se vê envolvido numa rede de intrigas que pode custar sua vida e a das pessoas que ama. Cada vez mais acuado, Patrick percebe que só há uma saída: superar seus inimigos ocultos no próprio jogo deles.

Você Está Sendo Vigiado
Autor: Gregg Hurwitz
Título original: They're Watching
Editora: Arqueiro
Avaliação: 3/5


Você Está Sendo Vigiado tem título e capa bastante atrativa para quem gosta de um bom suspense, além de uma sinopse bem intrigante, claro. A ideia de, do nada, começar a receber DVDs em que você aparece nas filmagens pode te fazer pensar em mil e uma coisas por trás disso. Mas será que alguém no mundo vai ter a capacidade de descobrir o desfecho desse livro? Não. Se você conhecer alguém que foi capaz disso, fuja dele. É provável que essa pessoa seja perigosamente inteligentíssima (ai, que exagero, Gabriel!). E vai que ela usa essa inteligência toda pra vigiar você? Ui!

Patrick Davis é um professor de inglês apaixonado por cinema desde pequeno, e que sonha em ter um roteiro de sua autoria vendido para algum estúdio de Hollywood. Seu sonho é realizado quando uma agente se mostra interessante por "Você Está Sendo Vigiado" (sim, o nome do livro é o nome do filme da história). O filme conta a história de um banqueiro de investimentos que, sem querer, troca de laptop após faltar energia no metrô. O crime organizado e a CIA começam a perseguir o sujeito.

Patrick tem um desentendimento com Keith Conner, ator principal do filme que exigia mudanças no roteiro. Durante a discussão, Keith acabou escorregando e batendo o rosto numa estante do trailer, mas o espertinho tratou de dizer pra todo mundo que Patrick o empurrou. Uma contusão no ator principal atrasaria as filmagens, então Patrick acaba sendo afastado do set de gravação e processado injustamente por Keith e o estúdio.

Ocupado com tanto trabalho após a venda de seu roteiro, a relação de Patrick com sua esposa Ariana se esfria. Patrick ignora as ligações da esposa para o estúdio, e, como se não bastasse, quem atende uma dessas ligações é Keith Conner. O sujeito aproveita a situação após a briga e trata de dizer para Ariana que o marido dela está num trailer com uma das atrizes do filme, como todas as noites, e pediu para não ser incomodado. Ou seja, Keith estava determinado a lascar a vida de Patrick!

Depois de algum tempo após essa sucessão de acontecimentos, Patrick, que a essa altura se sentia um fracassado, recebe o primeiro DVD com imagens do dia-a-dia dele e da esposa. Quem está vigiando o casal? O que eles querem com isso? É só uma ~pegadinha~? Será que o maldito Keith Conner está envolvido? O roteiro de "Você Está Sendo Vigiado" não traz uma boa imagem da CIA... Será que a instituição está por trás dessa história? Nossa! Dá pra sacar que essa confusão toda vai requerer muita coragem, esperteza e paciência do nosso mocinho, né? Coitado! Após receber mais dois DVDs, uma pessoa envolvida liga para Patrick com voz disfarçada propondo um acordo. Ele não pode contar nada para a polícia e deve seguir as instruções que receberá por e-mail. A partir daí a coisa só se enrola...

Achei "Você Está Sendo Vigiado" um livro bom, mas me decepcionei com o desfecho e as inúmeras reviravoltas (mas há quem goste disso!). Gregg Hurwitz usa algumas fórmulas "batidas" durante a narrativa, e eu não sabia se queria terminar de ler logo por estar empolgado e querer descobrir o mistério ou porque já estava de saco cheio. Também não fui cativado pelo protagonista, ao ponto de torcer por ele. Eu torci mesmo foi pelo desfecho! Acho que o enredo poderia ser mais linear, e que isso traria uma melhor experiência de leitura. Só de pensar em tudo já dá um pouquinho de dor de cabeça. Mas os thrillers estão aí pra isso, não?

Os direitos do livro foram comprados pela Big Kid Pictures. A história será adaptada para os cinemas por Craig Wright (Lost, Six Feet Under, The Pavilion) e produzida pelo próprio Gregg. O autor já trabalhou no canal ABC e escreveu roteiros para os estúdios Warner Bros., Paramount e MGM; ele também colabora com a Marvel e a DC Comics em vários quadrinhos.

Estou curioso para saber as opiniões de pessoas que já leram esse livro. Então não hesite em deixar seu comentário pra gente debater! Ah, se soltar algum spoiler não esquece de avisar pra não estragar a surpresa de quem não leu. E se você não leu também pode e deve deixar um comentário com sua opinião e expectativa. ;)

Especial: Starters, de Lissa Price

Starters - Lissa Price

Talvez citá-lo no "Futuras Leituras" bastasse? Não! Minha empolgação para ler Starters, de Lissa Price, é tão grande que ele merecia um post especial! A distopia foi lançada em março desse ano nos Estados Unidos e arrancou boas críticas. Claro que grande parte desse sucesso é impulsionado pela febre de Jogos Vorazes; e a capa de Starters traz a seguinte citação da autora Kami Garcia: "Fãs de Jogos Vorazes vão adorar." Será? Vamos à sinopse:
Seu mundo mudou para sempre.
Callie perdeu os pais quando as guerras de Esporos varreu todas as pessoas entre 20 e 60 anos. Ela e seu irmão mais novo, Tyler, estão se virando, vivendo como desabrigados com seu amigo Michael e lutando contra rebeldes que os matariam por uma bolacha.
A única esperança de Callie é Prime Destinations, um lugar perturbado em Berverly Hills que abriga uma misteriosa figura conhecida como o Old Man. Ele aluga adolescentes para alugar seus corpos aos Terminais — idosos que desejam ser jovens novamente. Callie, desesperada pelo dinheiro que os ajudará a sobreviver concorda em ser uma doadora. Mas o neurochip que colocam em Callie está com defeito e ela acorda na vida de sua locadora, morando em uma mansão, dirigindo seus carros e saindo com o neto de um senador.
Parece quase um conto de fadas, até Callie descobrir que sua locatária pretende fazer mais do que se divertir — e que os planos de Prime Destinations são tão diabólicos que Callie nunca podia ter imaginado…
Retrato de Uma Starter e Starters - Lissa Price

O que me atraiu, sem dúvidas, foi a capa. Que linda! Que futurística! Que branca! <3 Mas a sinopse me agradou também, e até me lembrou um pouco de A Hospedeira (que acho sensacional). Starters será lançado no Brasil dia 27 de julho pela Novo Conceito, conservando o mesmo título original. A editora está a todo vapor para o lançamento do livro, e preparou site especial, e-book grátis introdutório à série e até book-trailer dublado! Alguma dúvida de que Starters vai chegar com tudo às livrarias?


Você já pode baixar gratuitamente o e-book "Retrato de Uma Starter - Uma Descoberta" (é só clicar). Você poderá ler direto do seu tablet, e-reader ou smartphone utilizando qualquer aplicativo de leitura para o formato ePub. Para ler em seu computador, é necessário o download de um programa para a leitura de e-books, como o programa “Calibre” que pode ser baixado gratuitamente clicando aqui.

Já li "Retrato de uma Starter", que se mostrou uma introdução muito empolgante. Não vejo a hora de ler Starters, de ter essa capa linda nas minhas mãos (eu todo afetado...)! Lissa Price já está finalizando a sequência, que se chamará "Enders". Ah, e tem mais! Amanhã, dia 5 de julho, o site especial entrará no ar com um jogo online do livro! Acesse www.startersolivro.com.br para conhecer a realidade de Callie, Michael, Tyler e outros personagens de Starters.

27 de jun de 2012

Resenha: O Garoto no Convés, de John Boyne

O Garoto no Convés (Mutiny on the Bounty) - John Boyne
Sinopse: Aos catorze anos de idade, o órfão John Jacob Turnstile perambula pelas ruas de Portsmouth, no sul da Inglaterra, cometendo pequenos furtos. Dois dias antes do Natal de 1787, porém, o que tem início como apenas mais uma delinquência resulta numa série de acontecimentos que mudarão sua vida para sempre. Para escapar da prisão, embarca às pressas num navio da marinha inglesa na função de criado do capitão. Seu plano é fugir na primeira oportunidade, mas o que o aguarda é uma aventura de proporções épicas, na qual não faltarão conflitos entre os membros da tripulação, tempestades, portos exóticos, ilhas paradisíacas e um motim que acabaria por se tornar o mais famoso na história naval.

O Garoto no Convés
Autor: John Boyne
Título original: Mutiny On The Bounty
Editora: Companhia das Letras
Avaliação: 5/5


Antes de tudo, preciso dizer que a Companhia das Letras acertou em cheio ao mudar título e capa do livro original. Temos no Brasil, de longe, a melhor capa! Esta pode parecer simplesmente "marketeira", mas não precisa sequer chegar na metade do livro para saber que "O Garoto no Convés" é um título muito mais apropriado, atrativo e misterioso. Ainda assim, o marketing também é válido. As listras não indicam nenhum pijama; dessa vez se sobrepõem à cordas. Não é necessário ver o nome do John Boyne para deduzir que o livro é do mesmo autor de "O Menino do Pijama Listrado." Fica fácil para o leitor que leu e gostou deste último não hesitar em levar seu "irmão" pra casa, e esperar repetir a dose de boa leitura. E repetirá.

O Garoto no Convés é bem maior que O Menino do Pijama Listrado, mas traz a mesma essência: um acontecimento histórico sob a perspectiva de um garoto inocente. John Jacob Turnstile, o nosso protagonista e narrador de catorze anos, está empenhado num de seus ofícios, que é realizar pequenos furtos pelas ruas da sua cidade. Ele é órfão e vive na casa do senhor Lewis, homem que não traz boas recordações ao garoto. Turnstile logo avista um relógio saindo do bolso de um fidalgo que estava na livraria, mas é surpreendido quando o homem puxa conversa com ele. O garoto mal podia imaginar que esse encontro mudaria o rumo da sua vida completamente.

Os ricos sempre consideram ignorantes os garotos como eu, mas às vezes demonstram ignorância igual ou maior, se bem que de outro tipo.

Turnstile pensou que tinha sido descoberto em sua tentativa de roubo, mas o fidalgo parece querer ter uma conversa amigável com o menino. Ainda assim, isso não impede que John Jacob surripie o relógio de sua vítima, e depois seja surpreendido por um policial o acusando. Uma verdadeira confusão é gerada na rua, várias pessoas confirmam que ele é mesmo um ladrãozinho, o que não favorece sua situação. Muito se desenrola até que, para se livrar da prisão, Turnstile aceita a proposta de ir numa viagem de barco como criado do capitão William Bligh. Mas não é tão simples assim. Muita coisa ainda acontece desde o furto até o surgimento dessa alternativa de pena.

Ninguém consegue enfrentar a vida sem que a sorte lhe sorria um pouco de vez em quando (...).

Sem saber o que lhe espera, John Jacob ingressa no Bounty. Se você, como eu, nunca tinha ouvido falar desse navio e de sua missão, pule para o próximo parágrafo, porque você descobrirá no que Turnstile se meteu junto com ele, e a leitura será ainda mais legal! Mas se você já conhece a história, sabe que o Bounty tinha como missão levar mudas de fruta-pão de Otaheite (Taiti) para as colônias inglesas nas Índias Orientais (especificamente na Jamaica). E o que parecia ser a missão mais organizada da História acaba num motim. 

O criado acaba criando um ótima relação com o capitão Bligh e aprendendo muita coisa sobre a vida no mar. O Garoto no Convés traz uma perspectiva inocente, curiosa e engraçada de Turnstile. Mas o garoto não é tão inocente assim. Ele foi bastante maltratado pelas circunstâncias da vida em Portsmouth, circunstâncias que várias vezes assombram sua mente durante a viagem e o fazem desejar nunca mais voltar pra casa.

Eu fiz uma careta, mas tentei não manifestar meu desprezo por aquelas palavras; ele parecia ignorar o quanto me insultava. Mas logo me dei conta de que um homem da classe dele não chegava sequer a imaginar que era possível insultar um membro da minha.

Demorei bastante para terminar de lê-lo. Não porque a narrativa seja muito lenta, mas porque não tive pressa (um pouquinho de falta de disciplina também contou). John Boyne consegue de forma divertida e incansável entreter os leitores, e ainda deixá-los curiosos para saberem mais sobre os fatos históricos que deram base para seus romances. O Garoto no Convés se mostra uma aventura divertida e prazerosa de ser lida. Não descarte esta leitura por não gostar de História. O livro não é documentativo. Ele traz a história do HSM Bounty como se você estivesse vivendo o momento. Foi um tempo de leitura muito enriquecedor. Nunca pensei que acompanhar as aventuras de um garoto de catorze anos num navio seria tão bacana.

Ah! O motim do Bounty foi tema de vários filmes. Há produções de 1935 (O Grande Motim), 1962 (O Grande Motim) e a mais recente de 1984 (Rebelião em Alto Mar). Já marquei os três como "quero ver" no Filmow, mas é uma pena que nenhuma traga o personagem fictício de John Boyne.