18 de abr de 2010

Quero ser um... Legendário?!

"A gente pode não mudar o mundo, mas 'tâmo' tentando."

legendário
le.gen.dá.rio
adj (legenda+ário1) 1 Que se refere a legenda. 2 Que é da natureza das lendas; lendário. sm 1 Autor de legendas. 2 Coleção de vidas de santos.

lenda
len.da
sf (lat legenda) 1 Tradição popular. 2 Narrativa transmitida pela tradição, de eventos geralmente considerados históricos, mas cuja autenticidade não se pode provar. 3 História fantástica, imaginosa. 4 Mentira, patranha. 5 História fastidiosa.

Dia 10 de abril, às 9:45 da noite, eu estava na frente da televisão à espera da estreia de Legendários. Foi o que foi. Tão ruim que a hashtag #LegendariosFAIL entrou no Trending Brazil do Twitter. Pouca graça, coisas previsíveis, visual podre, o Marcos Mion com uma filosofia barata e o tal do "humor do bem"... Salvo o quadro Whatever da Teena (Mia Mello) que consegui rir, o do João Gordo e o Teste de Preconceito (que não são engraçados, mas têm sua importância). Hoje assisti de novo. O resultado não foi muito diferente. Ri com o quadro da Teena e curti o do João Gordo e o do preconceito.

Minha expectativa era bem maior em relação à tudo: ao humor, aos quadros, ao cenário... Primeiro que muita gente dali já não tinha graça, na minha opinião, nem quando estavam na MTV. O tal do Super Tição é ridículo, Jaque Khury é uma apologia à Sabrina Sato na cara de pau e o Mion apresenta como se a todo tempo quisesse dizer "calma telespectador, esse é um programa do bem, não queremos ofender com o nosso humor, queremos revolucionar BLA BLA BLA". Fala sério.

No programa de hoje o quadro de preconceito teve um ator que fingiu uma revelação de que era gay para a sua família. O rapaz tinha namorada (que achava que ele a ia pedir em casamento), filha e pais já idosos. Pera aê! Uma coisa é você dizer que é gay quando já se espera ou, pelo menos, não tem um relacionamento hétero em andamento. Mas daí querer esperar que atual namorada e filha ajam bem à uma suposta revelação de homossexualidade é ridículo. Resultado? A namorada tentou fugir, a filha chorou, a mãe fumou depois de 3 anos sem fumar e o pai tentou matar com uma faca o suspoto namorado do filho (Gui Pádua travestido). Ah! No mesmo quadro também teve uma suposta entrevista na rua pra um falso canal "TV Gay". O falso repórter era um afeminado cheio de frescuras, falando daquele jeitinho etc e tal. Come on! Só porque é gay não precisa ser daquele jeito. As pessoas não precisam reagir bem a uma pessoa bizarra, mas, claro, precisam respeitar.

Enfim. Tentem ser uma lenda, tentem fazer um acontecimento histórico. Um dias vocês conseguem. Ou não. De legendário nem o nome.

Nenhum comentário:

Postar um comentário